• Prev
Itaipava/RJ - Aconteceu, nos dias 17 e 18 de Dezembro de 2018, no Centro de ...
Paracambi/RJ - Com a finalidade de capacitar Líderes para o trabalho no Reino de Deus, ...
Três Rios/RJ - A Igreja Assembleia de Deus de Cantagalo, realizou, nos dias 07 ...
Paraíba do Sul | Três Rios/RJ: No último domingo, 09 de dezembro de 2018, ...
Rede Vipgospel - todas logos

Alto-Comissário da ONU para os Direitos Humanos considerou nesta quarta-feira "verdadeiramente chocantes" as manifestações da extrema-direita na Alemanha em que simpatizantes desfilaram fazendo a saudação nazi e instou os políticos "de toda a Europa" a condenarem-nas. "Penso que é fundamentalmente importante que os responsáveis políticos de toda a Europa denunciem isto", disse Zeid Reid al-Hussein numa conferência de imprensa em Genebra.

O Alto-Comissário respondia a um pedido de reação aos acontecimentos dos últimos dias em Chemnitz, na Saxónia, no leste da Alemanha. Após a morte por esfaqueamento de um alemão e a detenção pela polícia de dois suspeitos do crime, um iraquiano e um sírio, grupos de extrema-direita lançaram no domingo uma "caça aos estrangeiros" nas ruas de Chemnitz.

Na segunda-feira, uma contramanifestação convocada por movimentos de extrema-esquerda foi recebida por quase 6.000 simpatizantes da extrema-direita, alguns dos quais desfilaram fazendo a saudação nazi. Confrontos entre ambos os grupos fizeram 20 feridos.

Zeid frisou que quem matou o cidadão alemão "deve ser punido", mas disse que "o que se passou na Saxónia nos últimos dias é verdadeiramente chocante". "Podemos por vezes sentir-nos desencorajados por ver que o avanço contínuo destes partidos de extrema-direita, com uma amnésia aparentemente total e uma falta de orientação a longo prazo, continua apesar do que vemos", disse o Alto-Comissário.

"Não podemos simplesmente ocultar da nossa memória os traumas do passado, porque é assustador ver como os mesmos instrumentos voltam a ser usados", acrescentou. O Alto-Comissário considerou também "preocupante" que "em vários países europeus, o mesmo crime tem mais cobertura se for cometido por um migrante, do que se for cometido por um não-migrante", dada "uma corrente de preconceitos ligados à extrema-direita que se infiltram nos 'media'".

"É particularmente preocupante ver isto na Europa dado os enormes traumas que a própria Europa testemunhou ao longo do século XX", concluiu.

Fonte: Expresso

Visitas no Site

0011825485
HojeHoje645
OntemOntem704
Esta SemanaEsta Semana585
Este MêsEste Mês16636
Todos os diasTodos os dias11825485

Siga-nos no Facebook

Usuários Online

Temos 266 visitantes e Nenhum membro online

Mais lidas

Estima-se que uma em ...
Os trabalhos para o ...
O governo da China ...
Nesta quinta-feira ...
O Centro de ...
O trabalho do Corpo de ...
O adolescente ...
O meia Adryan, ...
O Bangu divulgou nesta ...